14 jun

Um amor do passado – Fernanda Kne

No bar nos conhecemos pela primeira vez, e você me trouxe tudo que eu precisava e me tirou tudo o que eu tinha.

Seu gosto eu nunca vou esquecer, se eu fechar os olhos eu sinto teu sabor nos lábios e isso me traz uma coisa no corpo que eu não sei explicar.  

Você sempre quente, me fazia ser tudo que eu queria ser e até o que eu não queria ou não sabia que eu poderia. 

Essa mania que você tem de me deixar com as pernas bambas, meu corpo sem sentido, você se fazendo do ar que eu respiro. 

Demorou, mas eu me livrei de você! Cheguei a prometer que nunca mais iria te ver, e consegui seguir a risca, por muitos anos afastei de mim essa vontade de te ter. Mas eu sei que você sabe o poder que tem sobre mim e esperou o momento certo pra aparecer, como quem não quer nada, fez eu ficar sabendo que estaríamos no mesmo lugar, com as mesmas pessoas, você sabia que eu não ia arregar, ia te encarar, mostrar que segui a vida, era só isso que eu queria.

Eu não tô arrependida, mas dormir com você mais uma vez mexeu em muita coisa que eu queria esquecer. Você fez tudo exatamente igual, como consegue? Me deixa paralisada, sorridente sem motivo, nostálgica. Isso acaba comigo, eu faço coisas que não quero, falo coisas que não preciso, pra onde você carrega meu santo juízo? 

Eu queria avisar todas as pessoas que você faz a mesma coisa, queria que todos soubessem o que você faz comigo, queria que você parasse de ser o significado de tanto perigo.

Eu cheguei em casa ontem e nem acreditei em tudo que tinha acontecido, eu acordei pra ir pro trabalho e ainda sentia seu cheiro comigo, você me deixa louca!!! Eu não posso mais passar por isso! Eu gosto de mim certinha, calma, responsável e você me tira o sono e tudo isso.

Talvez, a gente se cruze mais vezes do que eu gostaria. Talvez eu escute seu nome em outras noites ou qualquer dia, mas fique já sabendo eu tô me prometendo que nunca mais passarei por isso. 

Tequila. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: