31 maio

Santa gratidão – Fernanda Kne

Vocês não fazem ideia do quanto eu preciso ficar matutando sobre o que escrever a cada semana. 

Tem acontecido cada coisa nessa minha vidinha de trabalhadora de fábrica nesse Japão, que se eu contar cêis tudo senta pra chorar comigo! Hahaha

Mas não, não é sobre essa parte da minha vidinha que eu quero escrever . 

Eu não sei se acontece com vocês, mas eu ando com a péssima mania de não falar o que tá acontecendo comigo, de como estou me sentindo. Parece que eu não tenho tempo de falar com ninguém ou que quem está disponível não é a pessoa certa pra eu desabafar e com quem eu queria tá longe ,ou tá trabalhando ou já está com a vida tão cheia que eu não quero encher mais. 

E aí eu tô que tô segurando firme, mas a gente dá aquela arriada e quando vem, solta as rédeas e deixa rolar, né?! 

Eu precisei da ajuda de um amigo pra fazer a minha mudança e do meu irmão pra uma casa nova .Esse meu amigo é aquele que não deixa ninguém na mão, ajuda todo mundo e descola a grana dele assim. Quando fui pagar, ele não quis receber, disse que se aceitasse eu não poderia reclamar da maneira que conduziu a nossa mudança. 

Chamei as amigas pra tomar café da manhã em casa, mesmo com ela toda virada, e no fim das contas todo mundo botou a mão na massa e minha casa tá quase arrumada. 

Sempre que preciso ir ao mercado, abro a minha agenda e vejo as últimas pessoas que me levaram, faço isso  pra  poder dar uma revezada! 

Eu tava neurótica por mudar e não ter uma geladeira aí o meu amigo da mudança, que quebra todos os galhos de todas as árvores pra mim, só pedia pra eu ter calma, que iria aparecer alguém  vendendo  uma geladeira. Então, no dia da mudança apareceu uma santa Alma para ele que me vendeu uma geladeira maravilhosa! 

Quando durmo triste e com saudade das minhas bests no Brasil, sempre tem mensagem delas quando acordo,aí  fico com a sensação que elas sabem quando estou precisando delas. 

Eu não tenho sido a melhor amiga pra nenhuma dessas amigas e amigos que estão ao meu redor, mas eu tô dando duro, dentro da minha apertada rotina eu tento ser presente. Tento mostrar que estou aqui, porque dentro de mim tem muito valor estar à disposição de quem eu amo. Mas o que eu estou tendo de volta, não tem preço não. 

Santa gratidão! 

#sapataonojapao

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: