03 maio

#sapatãonojapão – Fernanda Kne

Devo me apresentar e quem já fez isso sabe o quanto é constrangedor falar de si mesmo. Parece que a gente tem que ter um pudor muito maior do que qualquer bobeira que a gente escreve e posta na nossa rede social. Ao mesmo tempo, parar e conseguir transcrever um pouco do que achamos que somos , nos leva à reflexão , então, fica a dica do exercício. Escrevam sobre vocês, escrevam pra vocês.

Eu me chamo Fernanda Egashira, mais conhecida como Fernanda KNE nas redes. KNE nada mais é do que a sigla dos meus outros nomes.

Essa sigla surgiu com a ideia de como fugir de clientes que me procuravam pelo meu nome no face, encantados com a minha simpatia, haha.

Dos 15 até o final dos 21 morei no Japão, aos 16 me assumi mulher lésbica, até os 22 apanhei dentro de casa por causa da minha sexualidade, aos 16 era agredida física e verbalmente no trabalho e eventualmente na rua. Aos 22 conheci a literatura lésbica e esse foi o meu renascimento. Ganhei amigas que eram exatamente como eu e isso abriu meu, até então limitado horizonte. Aos 25 fui às manifestações contra o aumento da passagem de ônibus e daí por diante entendi minha luta. Nesse meio tempo conheci e me envolvi com mulheres maravilhosas. Sempre tive muito orgulho das mulheres por quem me apaixonei e me envolvi. Amigas , se tem uma coisa que eu não tenho é o tal do dedo podre, rs. Brincadeiras a parte, só tive bons relacionamentos porque maturidade emocional foi um ponto muito trabalhado dentro de mim e eu sempre fiz questão de expandir isso. Mas isso não seria possível se a outra parte da relação não tivesse essa maturidade também, então posso dizer que o que eu tive até agora foi sorte no amor.

Aos 26 me aproximei da militância, aos 27 entrei no Organizativo de Caminhada Lésbica e Bissexual e esse foi e é um dos momentos mais marcantes da minha vida, muita discussão e muito, muito aprendizado.

Aos 26 fui para uma viagem de 7 dias sozinha por Itacaré – BA. Lá conheci um grupo que estava na mesma vibe que eu, viajando sozinhos, gente do Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo, Espírito Santo entre outro estados.

A afinidade com esse grupo foi tanta que até hoje eles são presentes na minha vida. Como qualquer grupo, sempre há pessoas por quem a gente tem mais afinidade e com eles fui conhecer o Rio de Janeiro e depois fui curtir um feriado em Paraty. De alguma maneira eles são um termômetro pra mim, porque me obrigam a sair da minha bolha, aprendo muito com eles sobre a forma que eles compreendem a minha luta. Numa dessas viagens, no feriado em Paraty que passamos juntos, eles acolheram um grande desejo meu, andar por aí sem camisa, praia cheia, e eu apenas com a parte de baixo, com meus peitos sorrindo naturalmente pra todo mundo e , por mais que as pessoas ficassem me olhando, meu grupo não ia permitir que nada me acontecesse. Episódio grifado na memória.

No meio desse monte de coisas, outro monte de coisas ia acontecendo e foi aí que conheci a Paula – idealizadora da Editora PEL – pelo facebook.

Ela começou a acompanhar meus fatídicos posts e através deles começou a me incentivar a escrever mais e mais. Naturalmente eu já gosto de escrever sobre as minhas banalidades e , com o incentivo dela, penso um pouco mais no que escrevo, rs. Ela acha que de alguma maneira eu ajudo as pessoas com o que escrevo e essa parte é que me interessa : se de alguma maneira eu posso ajudar quem me lê, continuarei a escrever, e é nessa posição que aceitei o convite da Paula para me tornar colunista desse site lindo. Faz 6 meses que voltei a morar no Japão e é sobre a minha visão e minha rotina que vou escrever. Então, espero que vocês me acompanhem, me escrevam , me façam apontamentos , perguntas, falem das suas curiosidades sobre ser Lésbica na terra do sol nascente e , sempre que eu puder, escreverei sobre o que vocês me pedirem. Meus posts no face vão acompanhados da hashtag #sapataonojapao. Fiquem à vontade pra usar e marcar , vou ficar feliz de ver essa hashtag se espalhando.

Esse foi meu primeiro texto pensado pra vocês, mas não se enganem, eu só pareço boazinha. Espero que gostem , que comentem e compartilhem.

Um Super Beijo!

Fernanda Egashira

“Você sempre tem o poder de fazer o bem a alguém, use mais seu poder 🙂 “

 

6 thoughts on “#sapatãonojapão – Fernanda Kne

    • Dany que legal te ver por aqui tbm!!! Obrigada por me acompanhar!! E por favor, pode palpitar tbm e me trazer ideias pra postar com a #sapataonojapao 😊😁❤️

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: